quinta-feira, 31 de maio de 2007

Segunda opinião

Como sei que todos(os poucos) que visitam essa página já leram ou irão ler o texto de Flávio Gomes na sua coluna de quinta-feira no site Grande Prêmio aproveito o gancho dado por ele para modestamente discordar do seu ponto de vista. Não acredito que todo esse oba-oba encima de Lewis Hamilton seja apenas beseado numa análise fria de seus resultados. Cinco pódios em nas suas primeiras cinco corridas na Fórmula 1. O que faz dele um certo "fenômeno" é seu rendimento comparado ao de seu companheiro que dispensa apresentações Fernando Alonso. Não vou aqui destrinchar sobre o peso do espanhol no mundo da F1. Todos temos ciência disso. Mesmo sem ganhar Hamilton andou duas corrida melhor que seu badalado companheiro. O que na Fómula 1 é um feito a ser considerado realmente impressionante. Não me lembro de nenhum estreante que tenha andado lado a lado com um piloto da genialidade de Alonso. A melhor referência para um piloto é sempre seu companheiro de equipe, onde divide o mesmo equipamento. E com uma referência como a de Nando, Hamilton pode sim ser elevado à uma condição de quase fenômeno na categoria. O que não pode é chamá-lo de próximo Schumacher, ou sucessor espiritual de Senna. Ainda falta asfalto, muito asfalto. No momento ele é um fenômeno sim, justamente por que fenômenos podem passar rapidamente, já uma lenda, essa dura para sempre.

Abraços!

3 comentários:

Ron Groo disse...

Mas eu tenho certeza que Hamilton está caminhando para ser legendário, e será em pouco tempo.
Guardando as proporções ele tem a mesma gana de vencer de Senna e de Shumacher, vide a louca carrera de Mônaco, até pular ele pulou...
Abçs
Groo

Felipe Maciel disse...

Antes eu tinha concordado com o Gomes, agora acabo de concordar você.
Realmente, ele é um fenômeno, mas não é gênio. Essa é a situação atual.
Perfeita, sua colocação!

Pantaneiro disse...

Ta ae... concordo plenamente com que vc disse.