domingo, 21 de outubro de 2007

Impressionante.

Kimi Matias Raikkonen
















Data de nascimento: 17 de Outubro de 1979
Local de nascimento: Espoo, Finlândia
CAMPEÃO MUNDIAL DE FÓRMULA 1
Pontos na carreira: 456
Total de vitórias: 15
Pole Positions: 15
Corridas disputadas: 122
Voltas mais rápidas: 25
Total de pódios: 48

Inacreditável. Improvável. Incrível. Mais um piloto escreve seu nome na história da fórmula 1 e dos esportes em geral. Kimi Raikkonen fez valer seu grande desempenho na segunda metade do campeonato, correu, ganhou, correu mais, ganhou mais, encostou e prevaleceu. E de uma forma que deixou todos que acompanhavam a corrida de cabelo em pé.
Chegou em São Paulo com 7 pontos de desvantagem e pouquíssimas chances de conquistar o título. Volta pra Europa com o título de campeão do mundo.

Um brilhante desempenho do frio corredor, que não se abateu enquanto andava atrás de seu companheiro, e quando se adaptou ao carro andou muito rápido e conquistou o máximo de pontos que conseguiu, e se correu por fora na disputa ao título ganhou com todos os méritos e poucas ressalvas. Fez poucas ultrapassagens, evitou algumas disputas e não exalou a mesma garra dos outros três rivais durante a temporada. Ao mesmo tempo conquistou seis vitórias, foi ao pódio nove vezes nas últimas dez corridas e com a disputa entre os pilotos da Mclaren aproveitou a brecha e deu o bote.

Felipe Massa teve um papel fundamental na conquista de seu companheiro. Para alguns isso é um mérito, pra mim é frustrante. Saiu na pole, segurou Lewis Hamilton na largada, fazendo com que o inglês perdesse a posição até para Fernando Alonso que largava em 4º. Deu o primeiro lugar de presente para Kimi e levou a segunda posição numa tranquilidade avassaladora. Com isso deixou Alonso com o inútil terceiro lugar. Claro tudo isso foi possível após Lewis Hamilton ter decidido que a Mclaren não merecia ficar com o título depois do caso de espionagem e também não gostou da idéia de se tornar o primeiro estreante de fato a ser campeão do mundo. Apenas isso explica por que depois da lambança na China o inglês colocou tudo a perder tentando dar o troco em Fernando Alonso ainda na primeira volta. Caiu para oitavo e numa tentativa frustada de ultrapassagem encima de uma BMW levou seu carro à um estresse excessivo fora da pista, o que provavelmente acarretou o problema do câmbio que o jogou para a 18ª posição. Terminou em sétimo e entregou o título ao piloto do carro vermelho.

Uma vez mais um brasileiro assiste seu companheiro ter a glória de levar a Ferrari a um título mundial numa nova fase. A fase pós Schumacher. Se Rubinho acompanhou Michael Schumacher devolver à Ferrari uma glória alcançada pela última vez em 1979 e reescrever o livro dos recordes Felipe Massa foi o escudeiro da vez em 2007. E Kimi Raikkonen, em seu primeiro ano de Ferrari conquista o título. Improvável mas merecido. Um campeão nasce. Um personagem tímido e muitas vezes até sem graça. Mas campeão.

Parabéns Kimi Raikkonen.

sábado, 20 de outubro de 2007

Não deixa de ser irônico.


Infelizmente não estou em Interlagos para assistir a corrida pela primeira vez, o quer seria uma ótima desculpa pelas espassas postagens desse mês aqui no blog, esse que é o último mês da temporada 2007. Já em clima de despedida acompanhei pela tv os dois primeiros treinos livres em São Paulo na sexta, onde a disputa entre Alonso e Hamilton começou cedo.

Até Raikkonen entrou na dança, onde fazer o melhor tempo parecia questão de honra entre os líderes. Massa lascou o melhor tempo sábado pela manhã, confirmando que com o tempo bom vai ser osso duro de roer.

Na disputa pela pole Felipe Massa muito confortável com a pista conseguiu o melhor tempo com um impressionante Hamilton roubando a segunda colocação de Kimi Raikkonen. Impressionante por que a Mclaren deu pinta de que está um poquinho inferior à Ferrari para essa pista e mesmo assim o inglês tirou um tempo da cartola, assombrando com a segunda melhor parcial da superpole e ficando àpenas 0s151 do tempo da pole. Vem de uma corrida infernal na China, numa pista onde nunca correu e imediatamente se impôs ao bicampeão Fernando Alonso. Larga para ser campeão e se não se envolver em incidentes ano que vem seu carro sai gravado com o número um.

Fernando Alonso tanto na pista como fora dela me passou a impressão de estar um pouco apagado. Não brilhou em nenhum treino e na classificação teve um desempenho inferior à Hamilton. Alguns atribuem ao azar do espanhol por estar correndo pela segunda vez com o mesmo motor, o que realmente faz algum sentido. Mesmo assim o espanhol parece mais conformado em perder o título para seu companheiro estreante.
Raikkonen fez o que pôde e levou seu carro à terceira posição. Sua chances são ínfimas mas não impossíveis, mas Hamilton largando à sua frente coloca sua situação numa perpectiva mais realista. Corre como uma zebra, se ganhar vai ser por uma grande sorte.

Felipe Massa esteve no sábado onde esteve no início do ano, andando mais rápido que todos, fazendo parecer que a vantagem que tem sobre a Mclaren é resultado de sua pilotagem, deixando à sombra seu companheiro. Infelizmente é muito tarde para uma reação, seu companheiro o deixou pra trás. Mas pelo que lutou esse ano, mesmo com altos e baixos Felipe reluziu um pouco mais que Kimi, e uma vitória na sua terra natal seria mais do que merecido.
Quem sabe começa o ano de 2008 ainda mais motivado?

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Notinhas.

O mundo da fórmula 1 vive sua última semana do ano pelo campeonato de 2007 e nem o mercado de pilotos está agitado. Apenas a notícia da renovação de Felipe Massa até 2010 com a Ferrari mereceu capa em todos os meios, pelo menos na internet. Isso significa que o brasileiro tem mais 3 temporadas para ganhar um título pela Ferrari. Grande demonstração de confiança no brasileiro o time italiano fez; anunciar esse prolongamento do contrato antes da última corrida do ano onde o brasileiro foi o primeiro e único dos quatro líderes a abandonar a corrida ao título foi até uma surpresa.

Ainda mais se pensarmos que o bicampeão do mundo Fernando Alonso pode estar disponível em 2009 ou até já em 2008. Pelo menos a curto prazo a Ferrari não tem interesse em Alonso. Das duas uma: A equipe tem tanta confiança no talento de Felipe que prefere nem cogitar a possibilidade de ter um grande campeão como Alonso.
Ou Felipe está fadado a ser segundo piloto caso Kimi Raikkonen desponte como o melhor piloto da Ferrari nos próximos anos, já que não precisaria ou nem poderia ter Alonso e Raikkonen na mesma equipe.

Fernando Alonso pode ter se colocado numa espécie de bolha esse ano. Ao analisarmos 2007 como um todo fica claro que o espanhol criou uma tempestade enorme na Mclaren e até no resto do circo com esse caso de ser preterido na equipe inglesa. Ou por querer status de primeiro piloto. Uma equipe como a Ferrari prima pela harmonia, e estando contente com os resultados de seus pilotos não arriscaria colocar Alonso e destruir sua paz. A própria Mclaren pode fechar suas portas definitivamente para Fernando.

O campeonato desse ano mostrou algumas anomalias que estavam de uma certa forma adormecidas à algum tempo. Espionagem e troca de informações, brigas entre pilotos e dirigentes e até disputa entre "nações", como a briga entre ingleses e espanhóis.
Sempre estive com o pensamento de que Alonso é sim um pós adolescente mimado que como pessoa não tem a mesma maturidade que demonstra dentro das pistas. Mas depois de o piloto ter arrastado tanto tempo essa disputa começo a acreditar que existe muitas coisas dentro do time inglês que não vieram a tona. Talvez num futuro saberemos....

A expectativa para o GP do Brasil aumenta e todo mundo já procura apostar no seu favorito, já que se Fernando Alonso ganha Lewis Hamilton pode chegar no máximo em segundo senão o título fica com o espanhol. E se numa dessas os pilotos da Mclaren se enroscam sobra para Kimi Raikkonen levar a taça. A briga está bem aberta e mesmo com a vantagem de Hamilton vejo a maioria apostando em Alonso.
Quem será que leva a melhor?

sábado, 13 de outubro de 2007

Quem quer ser súdito de Alonso?

Esse período entre o GP da China e do Brasil lembra aqueles momentos que antecedem uma grande tempestade, onde aparentemente tudo está calmo. Mas claro que os nervos estão borbulhando, principalmente na Mclaren, onde a disputa se estendeu mais do que a maioria dentro da equipe gostaria. Teria sido um alívio a todos se Hamilton tivesse sido campeão uma semana atrás.

Para nós, torcedores, o GP do Brasil se tornou o mais aguardado dos últimos anos, na verdade desde 1998 não me lembro de uma decisão que despertasse tanta expectativa. Tanto pela briga na pista como pelo resultado final, já que Hamilton pode fazer história ao torna-se o primeiro estreante a ganhar o título na Fórmula 1.

Sobre os assuntos da semana existe um lance que está me incomodando um pouco.
Parece claro para todos os jornalistas que Fernando Alonso vai sair da Mclaren ano que vem. Eu pessoalmente ainda tenho minhas dúvidas, mas vamos então concordar com a opinião geral e analisar situação. Alonso quer sair de qualquer jeito da equipe inglesa e a Renault supostamente abriu todo o plano de 2008 para tentar seduzir o espanhol e convencê-lo a mudar para sua equipe. Até aí tudo bem. Todos da imprensa brasileira falam que o maior prejudicado seria Nelsinho Piquet, que teria que procurar outra equipe para estrear em 2008. Mas e Heikki Kovalainen? O estreante finlandês que começou o ano estabanado para chegar em segundo no Japão e que igual a Alonso anda sempre à frente de Fisichella, piloto que um dia bateu Felipe Massa. Pode ser uma das grandes promessas para o futuro. Mas com a chegada de Alonso totalmente blindado dentro da equipe, provavelmente Kovalainen vai ficar em segundo plano na equipe francesa. Um crime. Imaginem se em 2007 Lewis Hamilton tivesse ficado relegado à escudeiro do espanhol na Mclaren.

Não acho que hoje exista muito espaço para que Alonso seja um piloto onde uma equipe faça tudo girando em torno dele. Assim como foi a Ferrari com Michael Schumacher. Mas o alemão se mudou para a Ferrari, ficou 4 anos até conseguir o primeiro título. Transformou a Ferrari. O time que ainda estava nos anos 80 voou direto para 2000 com o alento que Schumacher trouxe para a equipe. Nada mais justo que lá ele mandasse em tudo.
Alonso cairia bem em uma Willams, que não ve título desde 97 ou na Toyota que nunca viu um.
Vamos torcer para que os responsáveis das equipes sejam coerentes com essa situação toda e cuidem para não queimar nenhum desses novos talentos obrigando-os a correr à sombra do espanhol.
Se Alonso quer ser rei, então que construa seu próprio castelo, exatamente como fez Schumacher.

terça-feira, 9 de outubro de 2007

Chicotadas.

Sei que as chicotadas do GP da China estão atrasadas mas infelizmente por fatores fora do meu controle não passei à frente do pc ontem depois que coloquei minha análise da corrida. Análise essa que foi cheia o suficiente para ser a leitura do dia ontem no blog. Peço desculpas a quem considerou o texto grande demais. As vezes me deixo levar. E isso que falei apenas dos quatro primeiros no texto de ontem.
Grande corrida de Vettel e de Liuzzi com as Toro Rosso. O alemão teve outra chance de brilhar após o infortúnio na corrida do Japão e lascou a quarta posição. Será que vem outro grande talento por aí? Jenson Button com o quinto lugar operou um milagre com o carro da Honda e enterrou Rubens Barrichello nesse fim de temporada. Ou o brasileiro resolve andar ano que vem ou sai queimado da fórmula 1. E bem apagada a corrida das BMW, Nick Heidfeld chegou em sétimo e Kubica deve ter tentado andar mais que o carro e acabou abandonando a prova. Veio bem esse ano a BMW, mas tem que evoluir mais, principalmente se Alonso voltar à Renault e levar seus famosos "sete décimos" para a equipe francesa. Chicotadas:

- A besteira que Lewis Hamilton cometeu não foi nada mais do que inexperiência de iniciante. Há que diga que o piloto mesmo numa situação confortável deve sempre brigar pela vitória, mas o que inglês fez foi forçar a barra, numa demonstração clara de excesso de confiança dele e da equipe após uma temporada fortíssima.

- Custou a ele 10 pontos o que deveria ter saído por 2 ou 4 no máximo. Terminando em terceiro ele chegaria com 10 pontos de vantagem sobre Alonso no GP do Brasil. Ia ser mamata para o inglês.

- Se Hamilton pode ter jogado o título fora Fernando Alonso teve um fim de semana apagado, saiu em quarto, e passou Massa por que o brasileiro estava mais apagado ainda. Pelo desempenho de Hamilton e pelo que estava andando Alonso poderia ter ganho e chegado ao Brasil com muito mais chances de ser campeão.

- Que fim de temporada desastroso para Felipe Massa. Pode ter sido mais combativo e menos insosso que Kimi Raikkonen, mas os resultados mostram uma verdadeira lavada do finlandês nas últimas nove corridas. No saldo total até agora Raikkonen chegou 10 vezes à frente de Felipe Massa, o brasileiro apenas cinco.

- Pode ser que o carro da Ferrari tenha sido adaptado ao estilo de Kimi Raikkonen, já que o brasileiro começou o ano andando muito rápido, mas episódios como perder a liderança na França e depois na Alemanha podem ter abalado o brasileiro. Ou Raikkonen se adaptou ao carro e à equipe durante a temporada e mostrou que é mais rápido que Massa.

- E assim a dupla da Ferrari não me empolga muito para o ano que vem, já que o brasileiro briga muito mas não transforma isso em vitórias e Raikkonen parece que está desconectado do mundo, anda rápido mas não parece querer grandes disputas.

- O pior de Raikkonen aparece quando ele vai ao pódio. Ganhou a corrida da China, é o que mais vitórias tem no ano, massacrou seu companheiro de equipe, vem para a última corrida com chances de ser campeão, e como ele reage? Sobe, escuta o hino, recebe o troféu e bebe o champagne. Não sorri, não vibra, não comemora, não brinca com os outros pilotos. Nada. sem graça e apático. Frio não, chato mesmo.

- Me pareceu bastante distante a relação de Felipe com Kimi, quase não se cumprimentaram e não trocaram palavras. Massa parecia ter mais assunto com Fernando Alonso. Será que a dupla Ferrari está rachando também?

- Sebastian Vettel poderia encontrar uma equipe melhor para o ano que vem. Parece que o garoto tem aquela fagulha de piloto que anda sempre rápido. Pensando melhor, que fique mais um ano onde está, ainda é muito novo e experiência apenas vai fazer bem a ele.

- Quando a chuva caía levemente a corrida teve graça. Quando a pista secou ficou chata. Fica claro que os carros dependem muito da carga aerodinâmica e os pneus de seco com ranhuras não permite aos pilotos saírem do traçado. Na chuva como andar fora do traçado não faz muita diferença vemos os carros disputando as curvas lado a lado. Algo tem que ser feito.

- Rubens Barrichello, igual ao ano passado, ficou muito pra trás de Jenson Button, passou totalmente batido na corrida. Onde foi parar o talento do brasileiro?

- A corrida de Felipe Massa além de apagada gerou algumas questões: Por que seu pneu se desgastou tão rapidamente? Quando tinho pneus pra seco por que não andou rápido o suficiente para não permitir Alonso voltar à sua frente após o pit stop? O que adiantou fazer as melhores voltas no final da corrida? Onde foi parar o piloto que era o mais rápido dos quatro no começo do ano?

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Grande prêmio da China.


E Lewis Hamilton continua a fazer história. A cena do inglês não conseguindo contornar a curva para a entrada dos boxes e parando na brita lentamente foi talvez o momento mais dramático do ano. Se Hamilton não sair campeão no GP do Brasil esse episódio vai ser considerado decisivo na temporada 2007. Os minutos dramáticos que o inglês passou dentro do carro pedindo que o empurrassem, a hesitação dos auxiliares de pista, o desespero de Ron Dennis em frente às câmeras, tudo parecia uma cena escrita pelos melhores roteiristas de Hollywood para que o filme de 2007 tivesse um grande pico de suspense antes do clímax da última corrida do ano no Brasil.

Se houve uma corrida que Hamilton guiou como um estreante foi essa. Deveria ter lutado sim pela primeira colocação com Kimi Raikkonen, mas também deveria saber a hora de deixá-lo passar, poupar os pneus e tentar chegar à frente de Fernando Alonso. Se entrou rápido demais na curva dos boxes fica difícil afirmar, faltou cuidado e sobrou ímpeto. Talvez ele e a Mclaren tivessem embriagados com a possibilidade do inglês sair campeão depois da corrida, e assim tomados pela confiança excessiva que o desempenho superior do inglês em relação à Kimi Raikkonen trouxe, parecia que o título viria com uma vitória esmagadora sobre os rivais. Assim como o acidente de Alonso na corrida passada, demorou para Hamilton ser traído pela sua inexperiência. Tivesse Alonso no lugar de Hamilton, certamente deixaria Raikkonen passar, iria ao boxes, trocaria pneus e voaria para roubar a primeira posição na segunda parada, e se não houvesse necessidade, como não havia, teria chegado em segundo feliz e contente. E com uma taça na mão.

Falando em Fernando Alonso, fez a corrida dele, roubou a posição de Massa quando teve a oportunidade mas não conseguiu ter o mesmo ritmo do primeiro. Se tivesse vencido Alonso estaria novamente a dois pontos do líder. Poderia ter feito mais.

Já o vencedor Kimi Raikkonen fez uma corrida brilhante. Segurou sua posição na largada, abriu mais de 5 segundos do seu companheiro no mesmo carro e no momento certo foi pra cima de Lewis Hamilton. Continou sendo rápido e levou a corrida até o final com certa facilidade.

Esse desempenho de Raikkonen deixou mais explícito como Felipe Massa não tem mais o mesmo ritmo do finlandês com o carro da Ferrari. Massa fez uma corrida irregular, gastou demais seus pneus no início da prova, e mesmo com pneus pra seco não impediu Fernando Alonso de voltar à frente depois do pit stop.
Na verdade desde a vitória em Magny-Cours na França, Kimi Raikkonen foi o piloto que mais fez pontos no campeonato. E foram nove corridas desde a França até a China. Ganhou quatro vezes e fez oito pódios. É o piloto com mais vitórias esse ano. Se não tivesse tido um começo de campeonato insosso teria sido campeão com autoridade. E deu um banho em Felipe Massa nessa fase do campeonato, chegando à frente do brasileiro sete vezes em nove corridas.

Para a prova em São Paulo os três primeiros chegam separados por sete pontos sendo que Alonso está 4 atrás de Hamilton. É muita coisa pra descontar em apenas uma prova e tudo indica que Lewis Hamilton realmente vai ser campeão no seu ano de estréia. Mesmo assim chega em Interlagos com muito mais pressão do que teve até agora, sentiu que um pequeno erro pode colocar tudo a perder. Talvez seja o mais vunerável dos três.
Desfecho esse que vai ser dos mais eletrizantes.

Abraços e chicotadas na sequência.

sábado, 6 de outubro de 2007

A maneira como se cai é que diz quem você é...

Pole de Hamilton, Kimi Raikkonen em segundo, Massa em terceiro e Alonso em quarto. Essas são as duas primeiras filas para o GP da China. Pior para Alonso. Se Lewis Hamilton chegar à sua frente e se Raikkonen não descontar 7 pontos do inglês o espanhol vai entregar o número 1 do bico do seu carro ao seu companheiro. E pior para Massa que não consegue mais bater seu companheiro de equipe. Não vi o treino e não vou comentar mais do que o destaque para quinta posição de David Coulthard e a sexta de Ralf Schumacher. E ainda o belo desempenho da Toro Rosso, em décimo e décimo-primeiro no grid, à frente das Renault, Willams e de uma Toyota. Bom trabalho da equipe e dos pilotos.

Alonso declarou que desistiu do campeonato já que o título foi decidido quando resolveram não punir Lewis Hamilton.
Chegando à reta final dessa temporada podemos analisar todas as atitudes de Alonso durante o ano e chegar à conclusão que mesmo sendo um grande piloto não demonstrou respeito nenhum ao seu companheiro de equipe e rival ao título. Com Felipe Massa teve suas farpas, mas foi com Lewis Hamilton que Alonso não poupou sua ira. E assim passou de uma rivalidade explosiva ao que considero desmerecer e desrespeitar seu adversário. Já coloquei aqui no blog as razões para as atitudes do espanhol, mas ele está se tornando intragável. Faço um paralelo exdrúxulo com o personagem Bruce interpretado por Jim Carrey no filme "Todo poderoso", onde ao perder a vaga de âncora no jornal Bruce entra em parafuso e faz coisas mirabolantes para sabotar seu colega que ganhou a vaga. No final ele se arrepende e aperta as mãos de seu colega, dizendo que ele nem havia dado os parabéns pela promoção do rival.

E é exatamente isso que vem martelando na minha cabeça à várias corridas atrás. Tudo que Fernando fez esse ano foi tentar desconsiderar os feitos de Lewis Hamilton. Desde a tempestade que fez dentro de sua equipe dizendo em público que o inglês tinha a preferência até declarações como essa em que disse que o título foi decidido fora das pistas. Ser competitivo é normal aos grandes campeões, mas esses foram grandes justamente por terem rivais. Agora denegrir os feitos de um rival é falta de respeito. Atitude enfadonha de um campeão que dá a impressão que amadureceu apenas como piloto; como pessoa e homem feito Alonso ainda tem muito que crescer e aprender.

Poderia Alonso hoje perder ou ganhar de uma forma muito mais digna e elegante se no início do ano, quando Hamilton despontou, tivesse simplesmente apertado a mão do inglês e dito: "parabéns garoto, você correu muito bem".

Abraços.

sexta-feira, 5 de outubro de 2007

Tributo a um brasileiro.


Ele faz uma de suas piores temporadas num longa carreira na Fórmula 1, mas anda com a mesma perseverança de anos atrás. Por isso uma pequena homenagem a Rubens Barrichello, piloto brasileiro na categoria máxima do automobilismo mundial desde 1993. E por que não lembrar dele?

Após a morte de Senna, milhares de fãs de Ayrton esperavam que Rubinho de alguma forma reproduzisse as glórias do tricampeão nas pistas.
Talvez por ter justamente herdado os fãs do maior ídolo do esporte brasileiro depois de Pelé Barrichello esteve sempre no olho do furacão. Surgiu no lugar certo na hora errada. Era dele a "responsabilidade" de continuar o legado deixado por Ayrton Senna pensaram todos. E por isso sua figura foi alçada à posição de João Bobo dos fãs e dos nem tão fãs por todo o país. Ayrton foi um fenômeno dentro de uma categoria que é formada apenas por atletas acima da média.

Rubens foi um desses acima da média, mesmo que nunca tenha sido um grande gênio. Começou sua carreira cedo e causou ótima impressão no início. Fez várias boas atuações com a Jordan. Mesmo com a Stewart, uma equipe muito fraca, o brasileiro deixou sua marca. Em algum ponto de sua carreira foi uma grande promessa na Fórmula 1.
E aí Barrichello se juntou à Ferrari com o sonho de ser campeão. Mas sumiu à sombra de Michael Schumacher. O mesmo piloto que teve sua ascenção meteórica após a morte de Senna e assim ganhou a injusta antipatia de muitos brasileiros. Ser segundo piloto de Schumacher era difícil de engolir para os brasileiros, inclusive ao que vos escreve.

Junto com o fato de não ter sido campeão o brasileiro foi protagonista de momentos um tanto inusitados no mundo da Fórmula 1, temperados com não raras declarações de conteúdo duvidoso. Foi um prato cheio para os torcedores que amam tanto quanto odeiam.
Será então que mereceu todo esse descrédito durante anos? Com certeza não. Mas manteve sua cabeça erguida enquanto era respeitado dentro da categoria por seus chefes e colegas. Para ele era isso que importava. Isso e sua sempre declarada fé em sua própia capacidade. Rubinho sempre acreditou em si mesmo, por isso batalhou ano após ano mesmo sem conseguir um título, e assim continua perseguindo esse objetivo 14 anos depois. Hoje mais maduro e realista, Rubinho sabe que é quase impossível sair com um título mas enquanto se sentir competitivo e for requisitado vai continuar.

Muitas vezes considerado umas das personalidades mais afáveis da categoria é uma figura que eu gostaria muito de conhecer pessoalmente.

Um brasileiro certamente vitorioso em sua vida. Uma trajetória que deve ser tratada como indicativo a muitas coisas que fazemos na vida. Não foi um ídolo, mas fica como grande exemplo a todos.

Será nesse fim de semana?

Depois do turbilhão de sensações da última corrida no Japão e com o campeonato quase decidido a favor de Lewis Hamilton a corrida da China no próximo fim de semana chega com jeito de espetáculo menor, mas não menos decisiva do que a etapa de Fuji. Afinal se não chover e com Hamilton apenas tendo que chegar à frente de Fernando Alonso provavelmente teremos uma corrida menos emocionante que a anterior.

Os carros da Ferrari correm pra disputar entre si, já que Kimi tem 17 pontos de desvantagem, e apesar do papo que vai lutar até o fim na realidade não tem muito o que fazer em relação ao líder.

Já os treinos livres mostraram um equilíbrio dos maiores já visto esse ano. Com uma diferença de menos de 20 centésimos entre os três primeiros devemos esperar por uma disputa apertadíssima para a pole e também para corrida. Nenhum dos dois carros parece ter vantagem para o traçado de Xangai.

Alonso vem forte pra essa corrida ao que parece, e vai tentar adiar para o GP do Brasil a coroação do campeonato do rival, que vai precisar de muito azar para perder esse título.
Para Felipe Massa resta tentar descontar alguma diferença em relação a Kimi Raikkonen, com 10 pontos de desvantagem dificilmente o brasileiro consegue a terceira colocação no mundial.
Será que ele chega como segundo piloto para o ano que vem? Ou na verdade ele correu melhor que Raikkonen esse ano? Fica difícil dizer, já que se brasileiro foi mais combativo, deu mais show que seu companheiro, Kimi teve mais vitórias, subiu mais vezes ao pódio e na segunda metade do campeonato teve um desempenho muito mais regular que o brasileiro. Mais para frente vou discutir por aqui a queda de rendimento de Felipe Massa, que começou o ano fortíssimo.

Hamilton vem tranquilo para essa corrida, vai brigar pela vitória, mas dependendo da posição de Alonso acredito que o inglês leva o resultado que der pra casa, sem arriscar uma taça quase ganha. Já vimos do que Hamilton é feito, pra ele não falta quase nada.

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

Audi RS6


Uma amostra da nova Audi RS6 que vai chegar ao mercado nos próximos meses. É o carro mais potente fabricado pela Audi até hoje. Com um motor de 10 cilindros em V e dois turbos gerando 580 cv de potência se espera um desempenho assombroso desse novo modelo.
Por fora o visual musculado já conhecido dos modelos RS da Audi, dessa vez com pára-lamas alargados inspirados no Audi Quattro de rali que fez muito sucesso no começo dos anos 80 e lançou o sistema de tração nas quatro rodas para os carros de produção.

Por enquanto foi apresentado apenas na versão perua. O RS6 vai concorrer com o famoso M5 de 507 cv da BMW e o menos notório mas não menos capacitado E 63 com um V8 de 514 cv da Mercedes-Benz.

A guerra de potência travada entre as três montadoras de luxo alemãs não tem data pra acabar. Enquanto isso a gente curte com esse modelos super potentes como a RS6.

Abraços.

terça-feira, 2 de outubro de 2007

Chicotadas.

A consagração de Lewis Hamilton numa corrida onde a destreza comum ao pilotos da Fórmula 1 ficou em evidência, não se enxergava muita coisa mas os jovens estavam lá com seus carros a 300 km/h.
Chicotadas:

- Lewis Hamilton, além de estar a um passo do título, mais uma vez colocou em xeque o talento de Fernando Alonso ao abrir vantagem sobre ele debaixo de chuva. Errou menos e foi mais rápido. Afinal o que mais se pode esperar do estreante?

- Parece que existe uma espécie de "tocha" que se passa de campeão a campeão. Para Schumacher ser campeão, Senna bateu, para Alonso ser campeão Schumacher estourou seu motor depois de dezenas de corridas sem nunca isso ocorrer e agora Alonso bate depois de 14 provas seguidas marcando pontos. Parece que cada um tem seu ano e parece que esse é o ano Hamilton, por isso apostei minhas fichas nele.

- Que bobagem que a Ferrari cometeu, com aquele dilúvio mandar seus carros com pneus intermediários foi atitude de amador ou até de desespero na procura de um milagre. E Felipe Massa ainda vem com a história de que Raikkonen recomendou esse pneus. Quem foi mais "estúpido"?

- Falando em besteiras por que diabos Felipe resolveu ultrapassar com o safety car? Foi a segunda vez no ano que o brasileiro simplesmente ignora as regras. E se deu mal nas duas.

- Vendo o lado bom foi um grande desempenho do brasileiro. Quem acompanhou pelo live timing viu que Felipe tinha um grande rimto de corrida, era bem constante. Em poucas voltas alcançava quem estava à sua frente, e passou vários carros. Não deveu nada a Kimi Raikkonen, na verdade sua volta mais rápida foi melhor que a do finlandês. E andou o tempo todo bem pesado.

- Será que Felipe deixou pra trás a imagem de que anda mal na chuva?

- Corridaça de Vettel e Kovalainen, dois pilotos ainda verdes, mostraram que têm talento e devem ser observados com atenção. Kovalainen a cada corrida vai enterrando mais Fisichella.

- Mesmo jogando fora seu primeiro pódio Vettel ainda merece aplausos. E Mark Webber também.

- A imagem de Vettel chorando foi realmente tocante. Uma emoção a mais nesse esporte.

- Uma coisa bem curiosa foi a reação dos mecânicos quando Fernando Alonso bateu forte. Não houve reação. Alonso plantou, domingo colheu.

- Essa era uma corrida daquelas para Rubens Barrichello marcar seu ponto de honra esse ano. Pelo que já correu em sua carreira essa temporada não faz jus ao que ele representa como piloto de Fórmula 1. Pode não ter sido um gênio, mas sempre demosntrou ser rápido e batalhador. Mais do que vários de seus contemporâneos.

- No fim das contas a corrida não teve tantos abandonos como poderia ter havido. Ainda bem.

domingo, 30 de setembro de 2007

Um monte de emoções.


Devastadora. Essa é a palavra que melhor descreve a performance de Lewis Hamilton na pista de Fuji no Japão. No melhor GP do ano o inglês de 22 coroou sua campanha até aqui com uma vitória em meio a um dilúvio e ainda deu banho no bicampeão do mundo com um desempenho impressionante. E com o acidente de Fernando Alonso o estreante abriu 12 pontos de vantagem o que poderá ser o suficiente para o inglês sair campeão do mundo na próxima na China.
Nas primeiras voltas abriu uma boa vantagem sobre Alonso e conseguiu assim retomar a liderança depois das trocas de pneus ficando mais livre do tráfego. E todos pensavam que o espanhol teoricamente teria vantagem correndo na chuva. Será que está nascendo o piloto mais completo da Fórmula 1?

Não tenho como fugir do tom embasbacado do texto mas o que Hamilton fez nesse fim de semana foi algo histórico. Num momento de grande pressão, onde viu seu desempenho cair em relação ao rival direto, com apenas 15 corridas de Fórmula 1 no curriculo, em contraste com o bicampeonato que o companheiro de equipe carrega nas costas chegou ao Japão praticamente zerado na disputa ao título, com apenas dois pontos de vantagem, Lewis teve um fim de semana de gênio. Digno de um campeão.

Fez uma pole heróica na última tentativa no sábado e fez uma corrida digna dos mestres da chuva. Assombroso. Um estreante com um talento que flui de tal maneira que nos faz pensar que já é fácil para ele andar mais rápido que todos. Sabe ultrapassar, sabe cadenciar seu desempenho, quase não erra. Difícil é competir com ele.

Como a hora de Alonso demorou para chegar esse ano conseguiu se aproximar do líder andando muito rápido nas últimas corridas. Mas mesmo tardando chegou e Alonso rodou, bateu e não marcou pontos no fim de semana. A primeira vez no ano. E abriu caminho para o título do ingês.
Vem para o tudo ou nada na próxima corrida já que se chegar atrás do inglês na China não importa a colocação Hamilton sai campeão.

A Ferrari fez o que deveria ter feito. Competiu. Não havia sorte no mundo que superasse a competência dos pilotos da Mclaren; um poderia sair da corrida, os dois saírem ia ser muito difícil. O time italiano se embananou na escolha dos pneus, e assim os dois pilotos foram parar no fundo do grid. Kimi Raikkonen foi rápido o tempo todo e escalou até o pódio.

Felipe Massa levou uma punição e parou uma vez a mais nos boxes, num total de 4. E não é que ao contrário o que todo mundo pensanva andou muito bem na chuva, e foi mais rápido que o finlandês. Foi passando um por um no meio daquele dilúvio, saiu ileso dessa escalada. Alcançou a terceira posição e mesmo com quase o pelotão inteiro mais próximo devido ao safety car, caiu de terceiro para nono depois de cumprir a punição e voltou a ser valente até subir à sexta posição.
E por último fez uma ultrapassagem na volta final em cima de Kubica que vai entrar para os anais da competição. Um momento épico de valentia e determinação de um piloto que já não tinha muito o que perder. Muitos vão torcer o nariz, mas na minha humilde opinião, fez a melhor corrida dele no ano. E um dos melhores desempenhos no geral. E mesmo com o pódio de Raikkonen me impressionou mais que o finladês.

Grande desempenho de Sebastian Vettel, que andava em terceiro e estava com um pódio quase garantido quando bateu na traseira de Mark Webber, outro que fazia grande corrida. Vettel tem 18 anos, estava na sua sexta corrida e mostrou que algo de especial existe dentro do cockpit de sua Toro Rosso. E sua imagem chorando ainda de capacete, de costas para a câmera, foi um daqueles momentos que irão ser reprisados em documentários daqui à alguns anos. Marcante.

Enfim, uma corrida para lavar a alma de quem gosta de Fórmula 1.

Chicotadas na sequência...

sábado, 29 de setembro de 2007

Pra ser campeão tem que fazer assim.

Não poderia ser melhor para o espetáculo. Lewis Hamilton conquistando a pole e Fernando Alonso saindo ao seu lado. Numa longa reta. Com vontade de passar por cima do inglês.
Que autoridade do inglês, que conquistou a pole na última volta quando Alonso certamente já pensava em como iria segurar a ponta saindo da pole. Kimi Raikkonen e Felipe Massa nas posições devidas, terceiro e quarto lugares. Peguei apenas os últimos três minutos de classificação e ficou claro que Massa não tinha o mesmo ritmo dos outros três. Talvez aí confirmando sua menor habilidade em pista molhada. Vai ter que andar forte para não ser ameaçado pela BMW de Nick Heidfeld que sai logo atrás do brasileiro.

Aliás observando os tempos fica claro que realmente a Mclaren e a Ferrari estão em um mundo separado, enquanto a BMW está sozinha e depois vem o resto. Algo incomum. Talvez como disse antes a BMW tem um carro à espera de um grande piloto, e talvez nas mão de Alonso esse ano nessa altura do campeonato a equipe poderia estrar brigando por vitórias.

Grande feito da Honda de... Jenson Button é claro. Conquistou a sexta posição depois da penalidade sofrida por Nico Rosberg, e assim o inglês conquista a melhor posição do ano para a Honda na casa da equipe, ou melhor na casa da rival Toyota. Enquanto isso vai enterrando Rubens Barrichello que nem com chuva não passou sequer da primeira seção da classificação.

Com a chuva esperada amanhã o único que se sobressai é Fernando Alonso, que vai tentar voar de todas as maneiras pra cima de Hamilton. O inglês já declarou que gosta de pista molhada, pelo visto confia no seu taco. Resta a Kimi Raikkonen fazer uma boa largada e tentar ganhar alguma posição.

Desde já o inglês deixou sua marca nesse início da parte de decisiva do campeonato, tirando uma pole num momento crucial. Depois de andar menos que Alonso nas últimas provas Hamilton já deu seu recado ao espanhol, mostrando que pode reagir e voltar andar mais rápido, falta apenas reproduzir o desempenho da classificação na corrida. Pega daqueles de esperar com ansiedade pra assistir.

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Monte Fuji


Daqui a pouco começam os primeiros treinos para o grande prêmio do Japão de 2007. Um campeonato incendiado pela diferença de dois pontos entre os líderes do mundial e uma pista nova para todos os pilotos essa corrida tem tudo para ser uma das mais interessantes do calendário desse ano.

Se Lewis Hamilton confirmar seu talento sobrenatural em andar rápido em pistas que não conhece pode levar vantagem em relação à Fernando Alonso. Mesmo assim o espanhol vem muito bem embalado e com sede de vitória. O inglês já avisou com razão que não vai dar mole para o companheiro e se tiver que brigar vai brigar. Vem aí disputa das boas. Reafirmo que o talento do inglês pode desequilibrar essa disputa ao seu favor.

Felipe Massa já disse que se precisar ajudar Kimi Raikkonen na disputa ao título o fará sem problemas. O que ele quis dizer é que vai jogar pelo time e pelo finlandês, fazendo o jogo da Ferrari e assim reafirmar sua posição no time ano que vem. Sad but true.

Pelo que observei o desenho da pista com muita humildade arrisco apostar numa superioridade da Mclaren, já que o traçado apesar de veloz tem curvas fechadas e de baixa velocidade. Não deixa de ser remotamente similar à pista de Monza. E na Itália todos viram como o carro da Mclaren e seu entreeixos mais curto se saíram.
Vale destacar que alguns pilotos que estão com seu lugares ameaçados para o ano que vem irão fazer de tudo para mostrar serviço e fazer politicagem. Como Alonso pode sair da Mclaren e todos esperam uma definiçao por consequência esse período de espera vai servir a quem quer mostrar que ainda merece um lugar no cockpit de seu carro.

Se a pista garantir ultrapassagens poderemos ter uma bela corrida domingo (sábado de madruga). Mesmo assim a briga entre Alonso e Hamilton já vale a audiência para as últimas três etapas.


Abraços.

Ferrari F-430


A espetacular F-430 passando pelo teste do programa inglês Fifh Gear na época de seu lançamento em 2005.
Um carro quase perfeito segundo o apresentador. Pronto para uma pista de corridas e suave o bastante para as ruas. E um motor que vai a 8500 RPM!
O que vale o preço do carro é o barulho do motor.
Borbulha em baixas rotações e grita chegando perto do limite. Incrível.

Sonhar é sempre bom...

Abraços!

terça-feira, 25 de setembro de 2007

O de cima sobe e o de baixo desce.

Esse mês de setembro mesmo com todo o alvoroço sobre o caso de espionagem e o campeonato de pilotos ficando mais apertado do que nunca foi um período pouco fértil aqui no blog. Fico um dia sem escrever, com a idéia de repor no outro dia, chega o outro dia e nada e assim vai.

Já vou direto para o assunto mais pertinente à este que vos escreve. Pipocam boatos sobre a ida de Fernando Alonso para a Ferrari e assim a transferência de Felipe Massa para a Toyota.
Parece uma notícia estapafúrdia, mas na minha visão seria , entre outras possibilidades, a que faz mais sentido para Alonso. Ele saiu da Renault com dois títulos na bagagem com a idéia de atingir outro patamar na carreira, em uma das equipes "eternas" da Fórmula 1. Mclaren, Ferrari e a Willams de anos atrás levam os pilotos campeões à um outro tipo de universo. Salários milionários, regalias das mais variadas, visibilidade ainda maior, acesso ao maiores patrocinadores e possibilidade de pilotarem o carro campeão cada vez que começa um campeonato. Quando um piloto atinge a estratosfera não faz muito sentido descer. Piquet saiu da Willams para uma Lotus decadente e depois Benetton. O que agregou à carreira depois de 87?

O caso de Alonso é muito mais agudo. Ele ainda é bicampeão e é muito jovem e competitivo. Por isso acredito que o espanhol continuar sua carreira na Ferrari ou até na BMW faz muito mais sentido do que um retorno à Renault. Por isso que ele na verdade saiu da equipe francesa em primeiro lugar. Apesar de serem extremamente eficientes, Renault e Briatore não têm os recursos necessários para abrigar o melhor piloto do mundo por um período muito longo.

Felipe Massa ficou relegado dentro desses rumores à uma posição na Toyota. Equipe riquissíma e com sede de resultados, mas que não demonstra ter o potencial humano para ser competitiva acima do sexto lugar no grid. Seria uma enorme ducha de água fria para a carreria do brasileiro, que esse ano demonstrou ser rápido e combativo. Mas o fato de estar 7 pontos atrás de Kimi Raikkonen exatamente agora não ajuda a rebater essas especulações. Ainda existe o rumor de uma aposentadoria de Jean Todt, que deixaria a posição de Massa ainda mais enfraquecida dentro da escuderia, já que Massa é gerenciado pelo filho de Todt, Nicolas. Faz todo o sentido e ao mesmo tempo não. Se Alonso fez uma tempestade dentro da Mclaren por causa de Hamilton como então ficaria ao lado de Kimi Raikkonen, "protegido" dentro da Ferrari?

Se Massa realmente se despedir da Ferrari vai ficar difícil pro torcedor brasileiro engolir o que se passa nesse esporte. Felipe fez uma campanha mais sólida e com mais brilho que seu companheiro, se mostrou mais vivo durantes as disputas em contraste com atuações apagadas do finlandês. Está 7 pontos atrás dele mais por má sorte e diversidades do que por falta de competência. E na minha opinião, por mais que exista uma disputa aberta dentro da Ferrari sustento minha teoria que Raikkonen tem a preferência dentro do time, nos acertos e no desenvolvimento do carro da Ferrari.
Mas talvez a personalidade de Kimi, sempre alheio à políticas e controvérsias, seria a única a suportar o manhoso e mimado Fernando Alonso como companheiro de equipe entre os pilotos de ponta.

O único que sairia na vantagem se tudo isso se concretizasse seria Lewis Hamilton. Rei absoluto dentro da Mclaren, em 2008 o jovem de 23 anos estaria nas nuvens dentro do time mais rico da Fórmula 1. Na verdade acima delas, lá na estratosfera.

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Let me entertain you.


Ontem foi aniverário do meu piloto preferido na era Schumacher, Juan Pablo Montoya. Colombiano estrela nos EUA foi para a F1 e teve uma ascensão meteórica. E foi o piloto que mais desafiou Schumacher nas pistas. Além de figuraça fora delas. Era o piloto que a F1 precisava.

Tudo isso também não esconde o fato de que Montoya foi um dos maiores casos de desperdício de talento da história da competição.
Tinha velocidade, arrojo e muita técnica, mas faltou disciplina e sacrifício.
Sofreu pelo preconceito no mundo calculista da F1.

Números do colombiano:

Total de corridas: 95
Vitórias: 7
Poles: 12
Voltas mais rápidas: 12
Pódios: 30
Pontos conquistados: 307

Faz falta esse cara.

Abraços!

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Nos idos de 83 os primeiros testes

Um vídeo com os primeiros testes de Ayrton Senna na Fórmula 1. Primeiro com o carro da Willams, onde Frank Willams acompanhou de perto os tempos do brasileiro, que apesar de ter sido muito rápido não foi capaz de convencer Frank de contratá-lo. Pelas próprias palavras do inglês, a política da equipe era não contratar jovens inexperientes. Imaginem o que ele pensa da Fórmula 1 atual, onde um piloto com 27 anos já é considerado "velho".
Ainda tem uma participação de Ron Dennis, sempre muito simpático e sorridente.

Abraços.

terça-feira, 18 de setembro de 2007

Massa fora, Raikkonen quase.

Caminhando para um imprevisível final a Fórmula 1 vai embora da sua "terra santa" Spa para aterrizar em solo novo, o GP do Japão na pista de Fuji, onde nenhum dos pilotos atuais andou com um Fórmula 1. Kimi saiu como o novo rei de Spa, conquistando a terceira prova seguida nessa pista e ainda se distanciou de Felipe Massa.

Já havia dado como carta fora do baralho qualquer piloto da Ferrari, mas Raikkonen se encontra agora 13 pontos atrás de Hamilton e 11 de Alonso. Massa está 20. Todos agora falam que a Ferrari deveria se concentrar em Raikkonen para brigar com as Mclaren, e até Felipe parece que declarou que faria isso sem problema. Um fim de campeonato frustrante pra o brasileiro. Andou muito bem no início do campeonato, se apagou, e quando voltou a ter um ritmo melhor encontrou seu companheiro afinado com o carro. Mesmo assim não vejo grande ameaça de Raikkonen pra cima dos pilotos da Mclaren, esses pontuaram em todas as corridas salvo uma. E se um quebrar ainda tem o companheiro bem à frente de Raikkonen. No fim das contas é mais provável que Raikkonen e até Massa encontrem problemas nas próximas três corridas do que Alonso ou Hamilton.

Seguem as chicotadas da corridas com atraso:

- Se houve uma chance para Felipe Massa largar atrás e conquistar uma vitória era nessa corrida. Larga bem, andou rápido nos treinos e ia ficar uma volta a mais na pista antes do pit stop do que Raikkonen. Na corrida não teve ritmo e deixou Raikkonen abrir 5 segundos.

- E assim o brasileiro continua tendo apenas vitórias conquistas a partir da pole position. Um estigma ruim para um postulante ao título mundial.

- Felipe, assim como os locutores globais, queria deixar a impressão que andava mais rápido que Raikkonen, mas será que o finlandês não estava apenas administrando a corrida nas voltas finais. O brasileiro reclamou que seu carro não tinha equilíbrio na traseira. E o acerto antes da corrida não é responsabilidade dele?

- Alonso é o favorito? Ainda coloco minhas fichas em Hamilton.

- Além disso torço mais para o inglês já que Alonso conseguiu conquistar a antipatia de todos. E melhor dois campeões do mundo correndo do que apenas um.

- Grande show do cara mais chato da Fórmula 1; zerinho de Raikkonen foi cena memorável.

- Grande pilotagem de Nico Rosberg, não tanto pelo sexto lugar mas pelo abismo que existe entre ele e seu companheiro de equipe.

- O pelotão do meio continua apagadíssimo, veteranos como Ralf Schumacher, Trulli e Fisichella estão em fim de carreira, mas Webber, Liuzzi e Wurz, mesmo mais novos, parecem que estão passeando na pista.

- Alonso e Massa estavam no maior papo antes do pódio, nem parecem aqueles dois que trocaram ofensas tempos atrás. Nada melhor do que estar àpenas dois pontos do líder do mundial para renovar o astral de um piloto.

domingo, 16 de setembro de 2007

Quem sabe faz.


Uma vitória de que sabe vencer. Assim foi a conquista de Kimi Raikkonen no GP da Bélgica desse ano. Se o finlandês sabe como sair de posições inferiores e buscar a ponta saindo da pole manteve tudo sobre controle abrindo quase 5 segundos de vantagem para o segundo colocado Felipe Massa já antes da primeira parada. Um ritmo de corrida que fez juz à reputação de Raikkonen de piloto muito veloz. A Felipe restou marcar a volta mais rápida da corrida nas voltas finais, quando seu companheiro já administrava a vantagem. O brasileiro ainda tentou colocar pressão no final, fazendo Galvão Bueno delirar. Em vão, Kimi já tinha tudo sobre controle.

Os dois reais competidores ao título, Fernando Alonso e Lewis Hamilton, fizeram o melhor dos trabalhos de minizar as perdas. Mantiveram suas posições de largada e em nenhum momento colocaram os pontos em risco. Hamilton ainda experimentou algumas passeadas fora da pista tentando ficar na cola de Alonso. Assim, na briga pelo título mais uma derrota de Hamilton, que viu a grande vantagem que tinha evaporar, chegando ao ponto em que a maioria já aponta Alonso como favorito.

Alguma coisa na Mclaren ocorreu de forma que o espanhol vem andando mais rápido que Hamilton, virando jogo para essas últimas três etapas, vindo como o franco atirador para cima do inglês, que vai ter andar como gente grande, tentar ser rápido e ser frio, e também muito controlado para não jogar fora pontos preciosos. Um final eletrizante para esse campeonato.

Outros destaques da corrida foram Nico Rosber beliscando a sexta posição, sempre rápido e competitivo enquanto seu companheiro Alex Wurz parecia não saber pilotar seu Willams, e o combativo Robert Kubica, que mesmo não marcando pontos protagonizou ótimos momentos de briga dentro da pista. Mesmo assim a eficiência alemã de Heidfeld falou mais alto e mais uma vez o companheiro de Kubica foi o primeiro a chegar atrás das Ferrari e Mclaren.

Final de corrida um pouco mais animado que o habitual já que Raikkonen resolveu dar um cavalo de pau na entrada dos boxes e até sorriu por alguns segundos em cima do pódio.

sábado, 15 de setembro de 2007

Que pista! Ah, e teve treino de classificação...

Pinceladas rápidas antes de desligar meu pc:

Mais uma vez briga particular entre Ferrari e Mclaren. Íncrivel o desempenho similar desses quatro pilotos dessas equipes.
Raikkonen mostrou que vinha rápido pra essa pista e levou a pole, mas não teve refresco de Felipe Massa que ficou 17 décimos atrás. E se Massa tem mais uma volta de gasolina no tanque quer dizer que o brasileiro mais uma vez foi mais rápido que seu companheiro. Alonso detonou com Hamilton fazendo o terceiro melhor tempo depois de uma rodada que quase terminou em desastre para o espanhol. Acredito que os pilotos da Mclaren vão se preocupar mais um com o outro do que com a Ferrari e uma possível vitória. Claro que para qualquer um deles o ideal seria as duas Ferrari entre um e outro.

- Rosberg em curva ascendente cravou o sexto melhor tempo e vai sair na quinta posição. O filho de Keke se firmando como um dos novos talentos da Fórmula 1.

- A turma GP2 provando que são os melhores iniciantes na categoria nos últimos tempos. Kovalainen dando suadouro em Fisichella, Rosberg brilhando e Hamilton, bem esse dispensa comentários.

- Já a turma geração Schumacher vai caminhando para o sentido inverso. O ostracismo.

- Que visual, que curvas, que excitante. Calma, estou falando dessa maravilha que é a pista de Spa Francorchamps.

- Até o nome "Eau Rouge" é um espetáculo.

- Não vou negar que depois do resultado de Monza, com essa briga resumida em Hamilton e Alonso, literalmente, por que nem mais disputa de construtores sobrou, acompanhar um fim de semana de corrida não tem a mesma emoção de quando Felipe Massa estava na briga.

- Começa logo esse campeonato de 2008!

Abraços!

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

A decisão da indecisão.

Após quase uma semana de vácuo aqui no blog volto no meio da ressaca da decisão da FIA sobre o caso de espionagem.

Ainda não consegui definir o que devo pensar sobre o episódio e o resultado. Se por um lado sou fã de equipes como Mclaren, Willams, Lotus e até Jordan algo errado aconteceu. Nunca imaginei que a segunda maior equipe da história da competição seria uma escuderia regida de forma ilícita, se assim posso colocar. Ron Dennis deu seu sangue pela equipe, elevou a Mclaren à posição de empresa vanguardista e de alta tecnologia, enquanto seus carros fizeram miséria na pista. E para coroar foi chefe de Ayrton Senna no seus três títulos.

Então será que realmente um personagem como Ron Dennis se curvaria à tentação de se apropriar de documentos da equipe rival e ainda com o intuito de levar vantagem no campeonato? Como já coloquei não entendo o que se passa de verdade no mundo da F1. O que vejo são os carros na pista, os tempos de volta na tela e algumas cenas que a tv mostra dos boxes de forma bem econômica. Sobre o caso minhas fontes são os sites especializados.

Dizem que a Mclaren teve posse desses documentos através de Mike Coughlan e Nigel Stepney. E todo o caso gira em torno se o resto da equipe sabia da posses desses dados e se fez uso dele no carro. Ora, não estamos falando de uma empresa de comércio ou indústria , mas sim de uma equipe de competição automotora, ou seja, tudo gira em torno dos carros e das corridas. Se houve troca de dados o objetivo final era ganhar corridas, seja deixando seu carro mais rápido, seja usando os dados da rival para levar vantagem em estratégias e afins.
Mas tudo foi tratado de forma distinta, e o resultado é uma multa de 100 milhões de dólares e perda de pontos do campeonato de construtores. Os piltos nada sofreram. Mantém sua pontuação e correm para disputarem o título mundial. E eu achava que eles faziam parte do time.

No fim das contas trataram a Mclaren como filho de papai milionário que matou o amante da sua esposa, foi preso mas depois liberado pelo delegado amigo do pai. Compraram sua liberdade, mas não sua inocência. Qual o sentido de se aplicar uma multa pesadíssima para a equipe enquanto os pilotos continuam com seus pontos e certamente um dos dois vai ser campeão do mundo, mesmo com a grande possibilidade de terem levado vantagem para conquistar esses pontos. E pra onde vai toda essa dinheirama? Boa pergunta essa... A entidade precisa de dinheiro? Ou foi ela que saiu lesada?

Por todos esses fatores fica difícil chegar à uma conclusão, Lewis Hamilton tem sido o melhor piloto do ano e seria injusto ele perder seus pontos, assim como Alonso vem provando seu valor tirando a diferença e entrando na posição de favorito. Mas seus carros não quebraram o ano todo, depois da quinta etapa ganharam velocidade e hoje nem em pistas rápidas são inferiores. Será que os dados da Ferrari ajudaram nisso? Bem a única certeza é que por U$ 100 milhões não se fala mais nisso.

E sinceramente, a Ferrari em 2008 que faça um carro menos irregular em pistas diferentes, que seja mais confiável e que seus piltos demonstrem o mesmo talento e garra da dupla Lewis/Fernando. Senão fica difícil mesmo ganhar na pista, assim, honestamente.

Abraços.

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

Chicotadas.

- Não entendi a estratégia da Ferrari bem distinta para os dois pilotos. Parecia que Massa teria ritmo de corrida para acompanhar as Mclaren, por isso largou pra cima de Hamilton, já Kimi apostou em uma parada contando com seu fraco desempenho na classificação. Mas todos afirmam que Kimi ganharia a posição de Massa se o brasileiro não tivessse abandonado, eu já acho que Massa teria ganho a posição de Hamilton.

- E após brilhante largada Felipe tomou a segunda posição de Lewis Hamilton, que não vendeu barato, mas nada me convence de que o inglês perdeu a posição e forçou um espaço que não existia na segunda chicane. Ganhou a posição pegando um atalho, mesmo que sem intenção, e mesmo assim não devolveu a posição, coisa que os comissários de prova deveriam ter determinado.

-Sem patriotada o brasileiro, se tivesse seguido na corrida, teria sido injustiçado ficando na terceira posição. Mas como o campeonato já está polêmico o bastante acredito que deixaram quieto para não colocar mais lenha na fogueira.

- A grande ultrapassagem de Hamilton sobre Kimi Raikkonen consolidou sua posição de melhor piloto do ano.

- Grande corrida de Nico Rosberg, que também fez uma bela ultrapassagem sobre Jenson Button.

- Ainda falando em ultrapassagens Kubica fez a sua sobre Rosberg, mas mesmo assim não teve ritmo para acompanhar seu companheiro de equipe Nick Heidfeld.

- Trulli, Ralf Schumacher, Fisichella e Barrichello sumiram na corrida. Simplesmente não me recordo desses piltos correndo no fim de semana.

- Toda vez que Kimi Raikkonen sobe ao pódio é uma cena estéril. Não sorri, não vibra, não demonstrou sequer decepção. Uma figura sem graça mesmo.

- Que disparada de Alonso nessas últimas corridas; eu dava como favorito ao título Lewis Hamilton, mas parece que Alonso encontrou um ritmo de corrida difícil de ser acompanhado. Se alguma enventualidade tirar pontos de Alonso nas próximas etapas é por que é o ano do inglês mesmo.

- Massa que começe a pensar como fazer para errar menos e andar rápido em 2008.

Abraços.

domingo, 9 de setembro de 2007

A ópera inglesa.



Grande vitória de Fernando Alonso e grandíssima dobradinha da Mclaren em território italiano. Uma dobradinha que consolida a caminhada da Mclaren para o título mundial de pilotos. Está tudo aberto, apenas três pontos separam Hamilton e Alonso, o que deixa claro que nas últimas quatro corridas a briga entre os dois vai pegar fogo. Uma das melhores disputas dos últimos anos. Hamilton mostrou que não vai se dobrar à experiência de seu companheiro fazendo aparecer todo seu talento acima da média ao ultrapassar de forma brilhante Raikkonen, sem mencionar que em poucas voltas e com pneus frios tirou toda a diferença na pista em relação ao finlandês, para depois dar o bote final.

Uma queda de braço entre os dois talentos mais expressivos do momento no automobilismo, a briga entre Hamilton e Alonso incendiou o campeoanto esse ano; mas ainda falta uma disputa mais aberta na pista, que não aconteceu ainda de forma explícita como os números poderiam supor. A Mclaren nessa corrida tinha muito mais carro, mas mesmo assim os dois pilotos ficaram à altura do que desmontraram no campeonato até agora. São os dois que merecem o título desse ano.

Para o lado italiano sobrou um magro terceiro lugar de Kimi Raikkonen com sabor de derrota acentuado pela esmagadora ultrapassagem de Hamilton. Felipe Massa amargou mais uma vez um abandono esse ano. O segundo, e assim já tem três corridas sem marcar pontos. O que somado à dupla afinada da Mclaren e à disputa acirrada com seu companheiro de equipe sacramentou a derrota na corrida ao título. Mais uma vez se encontra na posição de apenas poder brigar com seu companheiro pela melhor posição da equipe. No mínimo frustrante. Fica cada vez mais claro que a Ferrari ainda não tem uma orquestra bem afinada, seus carros estão longe de serem infalíveis e suas estratégias não produzem resultado expressivo em corridas. E seus pilotos parecem às vezes não muto à vontade com os carros. Como uma equipe que sai de uma dobradinha tem um desempenho desses na corrida seguinte, à frente de seu torcedor?

De resto mais uma vez Heidfeld é primeiro do segundo escalão, Nico Rosberg fazendo seu Willams parecer mais rápido que realmente é, o que faz dele uma grande promessa para o futuro. Jenson Button besliscou se segundo ponto no ano.

Uma belíssima pista essa de Monza, um público caloroso e uma corrida interessante. Senão tivemos uma vitória brasileira, pelo menos assistimos o espetáculo da Fórmula 1 em sua plenitude.

Abraços.

Chicotadas na sequência...

sábado, 8 de setembro de 2007

Esse espanhol fala muito, mas anda que é uma barbaridade...

Humilhação total. Foi mais ou menos isso que a Mclaren fez com a Ferrari em plena pista de Monza. Fernando Alonso na pole colocou mais de meio segundo em cima da Ferrari mais rápida, a de Felipe Massa. Meio segundo é muita coisa, e pra piorar na casa do adversário, e pra piorar de novo no meio de um novo escândalo envolvendo as duas equipes, e pra piorar mais uma vez bem no momento que a Ferrari esperava dar uma reagida após a dobradinha na Turquia.
E na verdade não existiu disputa, em nenhum momento Felipe Massa e Kimi Raikkonen deram alguma pinta de que iriam brigar pelas primeiras duas posições. Na verdade Raikkonen não conseguiu nem segurar a quarta posição, prejudicado por andar com o carro reserva após destruir seu carro nos treinos livres horas antes da classificação. Vale esperar o que acontece na largada, se pelo menos os carros vermelhos roubam alguma posição, por que nem em ritmo de corrida eles parecem ter chances.

Já que tempo está escasso nesse sábado, mando as chicotadas de uma vez:

- Teve cara de recado dado: no meio de todo o escândalo de espionagem, e até com seu nome envolvido, Alonso dominou seu companheiro de equipe e imprimiu um ritmo desde os treinos livres digno de seu talento.

- Alonso demonstrou que quer ganhar de qualquer jeito esse título, e pelo visto vai correr com mais garra nessas últimas etapas. Hamilton que se cuide.

- Raikkonen mais uma vez esteve às voltas com o azar, já que trocar de carro horas antes da classificação custou à ele pelo menos a quarta posição do grid.

- Button pela segunda vez no ano levou a Honda à super pole, grande feito do inglês, mas mesmo Barrichello mostrou que a equipe japonesa se deu bem com essa pista. Agora vamos ver como eles vão se sair na corrida.

- David Couthard, Ralf Schumacher e Giancarlo Fisichella tomaram mais uma lavada de seus companheiros de equipe. Péssimo momento pra Schumacher e Fisichella, cada vez mais perto de abandonarem seus atuais assentos.

- Felipe Massa sempre deu declarações realistas, quando sabia que se carro era rápido declarava e mostrava na pista. Dessa vez queimou a língua ao sair em defesa do desempenho da equipe italiana para essa etapa, dizendo que a Ferrari era mais rápida do que parecia. Um dos carros perdeu para a BMW.

- Alguns não apontavam a Ferrari como favorita por que a pista de Monza, mesmo sendo um circuito velocíssimo não tem curvas de alta. Estavam certos.

- Mas acredito que pouca gente esperava essa lavada que a Ferrari tomou na classificação. E com Michael Schumacher e Luca di Montezemolo in loco.

Abraços.

quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Será?

Nunca cheguei a comentar o assunto das acusações de espionagem da Mclaren; afinal não sou jornalista, não tenho acesso à ninguem relacionado a cobertura da Fórmula 1 e muito menos conheço alguém do circo. Ou seja, falar de um assunto político não faz muito sentido. Por isso fico sempre no campo da opinião pessoal sobre o caso, e uma opinião sem muito fundamento.

Saiu a notícia de que a FIA teve acesso à mais provas sobre o caso, o que levou à federação a cancelar a reunião para discutir a apelação e convocou novamente uma audiência para apurar essas novas "evidências" contra a Mclaren e assim julgar se o time deve ser punido ou não.

Até onde toda essa investigação é resultado da busca à justiça e à verdade? Difícil saber. Claro que se for provado que a Mclaren levou vantagem por causa das informações roubadas nada mais justo que puní-la, e por consequência, seu pilotos. Mas e o resto? E as outras questões?
Em tempos de tecnologias super complexas como é possível um roubo de informações dessa maneira? Nunca ocorreu antes?
Por que logo nesse campeonato, quando não existe mais Schumacher, onde a Ferrari perdeu o campeonato do ano passado?
Existe algo muito estranho em toda essa história, parece um enredo simples demais para o mundo da Fórmula 1.

Ainda duvido que a Mclaren seja punida, menos ainda seus piltos e é aí que surge o dilema: Tudo indica que ela levou vantagem sim, por isso deveria perder pontos ou ser desclassificada, o que automaticamente deixaria o título nas mão de um piloto da Ferrari. Nada mais correto.
Agora alguém aí acha que algum outro piloto até agora merece mais o título que Lewis Hamilton? Eu não. Mas alguém acha justo ele ganhar com a equipe dele roubando? Eu pelo menos não. Então o que fazer? Acho que nem a FIA sabe, por isso culpou e não puniu, e depois puniu sem culpa, e agora chamou todo mundo de novo. Eles parecem perdidos, tem um pepinão nas mão e ainda não idéia do que fazer com ele. Numa dessas atrás das portas fechadas eles estarão decidindo tudo na moeda. Eu não duvido.

Abraços.

quarta-feira, 5 de setembro de 2007


Começando o mês de Setembro atrasado com um curioso vídeo onde Peter Windsor, do Speed Channel discute com Felipe Massa a estratégia de Kimi Raikkonen na classificação para o GP da França, onde o finlandês ganhou a primeira posição de Felipe na segunda parada nos boxes, quando ficou três voltas a mais que o brasileiro na pista.

Tomei conhecimento dessa estratégia de Kimi poucos dias atrás; Raikkonen teria dado voltas super lentas na classificação, quase pondo em risco sua terceira posição no grid, apenas para ganhar uma volta a mais nas paradas.
Engraçado ver Windsor e Massa discutindo, cada um tentando tirar a razão do outro.
Não ficou muito claro, mas parece que Windsor acredita que fez diferença e Massa acha que não.
Gosto do senso de realidade do piloto brasileiro, não dá desculpas quando perde. E pronto.

Abraços.

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Tão longe, tão perto.


Será que anjos nos observam?

quarta-feira, 29 de agosto de 2007

Algunas pequenas considerações.

Vejo uma certa euforia da mídia após a vitória de Massa, e não apenas a brasileira. Alguns sites estrangeiros se entusiasmaram com a vitória do brasileiro. Os mais sérios recolocam a Ferrari de volta à briga direta ao título de pilotos.
Claro que matematicamente é possível, e claro tudo pode acontecer. Na verdade o que Massa, a Ferrari e seus torcedores esperam é tudo de ruim que pode acontecer com Hamilton e Alonso. Não vou ser hipócrita e dizer que não iria vibrar se algum desses vier a abandonar uma corrida. Mas sinceramente não era a maneira como queria torcer nesse fim de temporada. Gostaria de ter visto Massa não errar no Canadá e muito menos perder duas corridas que liderou a maior parte delas. E gostaria de ter visto o valente brasileiro brilhar na chuva. Não rolou, e por isso hoje sua maior rivalidade é com seu companheiro. Torçam para que ele chegue à frente de Kimi Raikkonen, já vai ser bom nessa altura.

Hamilton e Alonso têm a faca e o queijo na mão. A que pese torço para o inglês. Desde a primeira corrida mostrou ser muito rápido, no decorrer do campeonato foi regular, aprendeu a vencer e mostrou que sabe ultrapassar. Alonso também fez belas apresentações, mas seu companheiro deu mais show. E pra ser mais ácido, não quero que Alonso seja o único campeão em atividade, muito menos que alcance o tri tão rapidamente em sua carreira. Tudo está aberto entre os dois, mas Hamilton me parece um pouco mais sereno, se é que isso é possivel dentro do turbilhão da Mclaren.

Olhando para o lado menos lustroso da Fórmula 1 vejo dois nomes que empobrecem o espetáculo. Giancarlo Fisichella e Ralf Schumacher. O italiano teve o carro do bicampeonato na mão dois anos e nada conquistou. Encontrou-se dominado e detonado por Alonso. Esse ano poderia ter reagido mas já está ficando pra trás do companheiro estreante. Já pelo lado de Ralf não há muito o que dizer que alguém não tenha dito: é lento, ganha(dinheiro) demais e pra piorar tudo é antipático.

Esses dois, somados à Couthard, Trulli, Webber e Wurz fazem do pelotão do meio o que é hoje: burocrático. Nunca os pilotos que brigam por posições intermediárias fizeram tão pouco pelo espetáculo. Sempre tivemos os líderes do campeonato dominando as primeiras colocações, mas figuras como Berger, Alesi, Frentzen, Irvine, Barrichello, se não eram brilhantes, sempre brigaram muito dentro da pista. Disputavam quartos, quintos lugares como se fossem vitórias. Parece que a geração que ficou à sombra de Schumacher foi perdendo a motivação, e hoje se tornaram apenas zumbis na pista. Esperamos que os novos talentos que estão disputando com esses veteranos tenham uma visão menos condenscendente do que é uma corrida.
Se hoje temos até uma comissão que está analisando como melhorar as possibilidades de ultrapassagens, que os pilotos também façam sua parte, na pista. O torcedor agradece.

Abraços.

segunda-feira, 27 de agosto de 2007

F1 vs Moto GP

Uma dúvida que fiquei anos para sanar... qual é mais rápido, um F1 ou uma Moto de competição?

Um comparativo curto mas muito interessante entre o desempenho de um carro de F1 e de uma moto da Moto GP, onde é mostrado qual acelera mais rápido, tem mais velocidade e faz a volta mais rápida no mesmo circuito.
Que levou a melhor no final foi...

Abraços!

domingo, 26 de agosto de 2007

Chicotadas da corrida turca.

Não sou turco sou brasileiro mesmo, e ai estão elas:

- Depois de perder duas corridas ganhas eu estava começando a pensar que Massa não venceria mais esse ano, mas mais uma vez o brasileiro conseguiu dar a volta por cima.

- Mais que conseguir se levantar no campeonato(continua muito atrás) Massa restaurou um pouco de sua moral, e agora volta a ter o melhor retrospecto do ano em termos de melhores resultados, cinco poles e três vitórias.

- Resultados esses que aumentam minha frustação em relação à briga ao título. Massa realmente tinha chance de sair campeão esse ano. Mas ainda me incomoda o fato de nas últimas corridas ele não ter se encontrado no carro, algo parecia estar fora de lugar. Ou realmente ele se deixou abater, o que pelo seu perfil batalhador não acredito muito.

- Raikkonen mostra novamente que tem um grande ritmo de corrida, e passou a corrida toda na cola de Massa. Se tivesse saído na pole teria ganho com a mesma autoridade.

- Alonso parece que esqueceu como largar bem, anda perdendo posições mas durante a prova se recuperou, batendo as duas BMW, uma demonstração da sua capacidade.

- Capacidade essa de Alonso que vem sendo ofuscada pelo sempre brilhante Lewis Hamilton. Fez boa classificação, andou num bom ritmo e ainda minimizou ao máximo suas perdas depois de ter visto seu pneu estourar, conseguindo chegar na quinta posição mesmo com todos os carros das 5 melhores equipes terminando a prova sem incidentes, exceto com o carro de Webber. Claro, o inglês contou com aquela sorte típica dos campeões, já que ainda não havia feito sua segunda parada.

- Mesmo com um temperatura elevadíssima e uma pista desafiadora para os carros a corrida teve apenas um abandono. Os carros que estão tão resistentes ou os pilotos que não arriscaram muito?

- Kovalainen aos poucos vai demonstrando por que mereceu seu lugar na Renault, enquanto Fisichella reafirma sua condição de piloto mediano.

- Heidfeld mostrou novamente quem manda nos cockpits da BMVê.

- Jenson Button deu um show em Barrichello, pelo que pareceu se sentiu "zoado" pelo seu engenheiro quando respondeu "não me faça rir" pelo rádio ao escutar que estava dois segundos mais lento que Button.

- Rosberg que começe andar igual hoje, ano que vem corre o risco de correr contra um promissor estreante, Piquet Jr.

- Diferente do que coloquei, talvez a Mclaren não leve a taça do campeonato de contrutores.

Abraços.

E o campeonato pega fogo? Ainda não é bem assim.


Numa corrida bem morna Felipe Massa voltou a sentir o gostinho da vitória. Depois de tirar uma pole da cartola, Massa reecontrou o ritmo de corrida que tinha até o GP do Canadá. Largou bem assim como seu companheiro, Raikkonen, e segurou a ponta até o final. Antes da segunda parada ele foi ameaçado por Kimi, que tirou toda a diferença e ficou colado na Ferrari número 5. Mais uma vez Felipe não tem um ritmo bom depois da primeira parada e quase entrega a vitória ao finlandês. Alonso fez uma péssima largada mas correu com autoridade, ganhando novamente suas posições durante os pit stops.


Hamilton, o estreante, o líder e o mais constante vinha fazendo uma boa prova, apesar de ter sido muito conservador na largada e perdido a posição para Kimi. Mesmo assim teve ritmo e acompanhou Raikkonen e tinha mais um pódio garantido. Até que foi traído pelo pneu dianteiro direito e mesmo assim perdeu apenas duas posições. Heidfeld sempre constante em quarto fez sua corrida de sempre esse ano, rápido, limpo e sem cometer erros. Já Kubica, com uma estratégia esquisita, terminou apenas em oitavo, resultado bem apagado.


Hamilton ainda tem grande vantegem no campeonato e mostrou que tem fôlego para andar rápido sempre. Faltando apenas 5 etapas para o fim do mundial continua como favorito, mesmo com todo esse papo de que a Ferrari tem vantagem na maioria das pistas restantes. Essa vitória pode ter revigorado a motivação de Felipe, que andava um pouco abatido, e mesmo lutando até a última volta como ele disse, acredito que o título ainda está distante de suas mãos.


Chicotadas na sequência...

sábado, 25 de agosto de 2007

E no meio de tanto drama, uma classificação normal.

Chicotadas da classificação:

- Não o treino, apenas acompanhei pelo Live Timing, mas me pareceu que Massa foi quase como uma zebra na pole, pois andou sempre discretamente antes da última seção.

- Se Raikkonen foi mais rápido que Felipe na segunda seção então ele deverá estar mais leve que o brasileiro, pelo menos na teoria.

- Falando em peso acredito que novamente Hamilton larga mais leve que Alonso, e se tiver disposto briga pela vitória.

- Parece algum tipo de estratégia da BMW, anda mal nos treinos livres mas chega na classificação e se firma logo atrás dos líderes.

- Já a Toyota...

- E mais uma vez uma Super Aguri supera a Honda.

- Com o carro bicampeão do mundo Fisichella conquistou duas vitórias em duas temporadas, esse ano já não consegue acompanhar o ritmo de Kovalainen, que começou a temporada bem estabanado diga-se de passagem. Briatore realmente não vai arriscar muita coisa se colocar Nelsinho pra correr ao lado do finlandês ano que vem.

- Eu havia pensado a mesma coisa que o colega Pezzolo, a Red Bull devia ter colocado Bourdais no lugar de algum dos seus titulares.

- Yamamoto anda em um outro tipo de ritmo, não está no lugar certo.

- Trulli vai largar nove posições à frente de Ralf. Nove!

Abraços.

Istambul, 25 de agosto de 2007.

A quinta do ano para Felipe. É o piloto com mais poles de longe. A classificação de hoje lembrou o Felipe do começo do ano, tirando tudo do carro quando precisou, com autoridade. Infelizmente o cenário atual não é bom para o brasileiro, quem tem apenas duas vitórias e está em quarto na classificação dos pontos. Vai lutar até a ultima corrida, mas hoje tem seu companheiro de equipe sempre forte em ritmo de corrida. Vamos ver se dessa vez Massa transforma pole em vitória, tá precisando mais que todos.

Hamilton andou bem como sempre, quase conseguiu o primeiro lugar e mesmo com carro que todos consideram inferior à Ferrari nesse circuito ficou na cola da Ferrari, praticamente sem diferença. Já Alonso fez uma última tentativa de volta rápida bem ruim, e vai sair em último dos "G4". Não vou fazer grandes previsões, mas Hamilton continua embalado, e vai com tudo pra ganhar esse título nessas últimas seis etapas.
Pista que permite ultrapassagens, e que vai colocar à prova mais uma vez o ritmo de Massa, que se bobear perde a vitória pela quarta vez no ano. E assim o campeonato vai separando os homens dos meninos.

Ps.: Assisti o treino pelo computador, depois do fim do treino fui à frente da TV e consegui ouvir uma pérola, senão me engano de Burti, que já decretou que "Essa é a pista de Felipe Massa". Parece que cada fim de semana de corrida o pessoal da Globo acha uma besteira nova, impressionante...

Abraços.

sexta-feira, 24 de agosto de 2007

Bons tempos aqueles.


Uma homenagem à um grande amigo, e um fã do eterno Old Blue Eyes, deixo a todos o vídeo de "I've Got You Under My Skin", cover de Cole Porter cantada por Frank Sinatra e Bono.

Do disco de duetos de Sinatra, que ganhei desse amigo à 15 anos atrás e que tenho até hoje, novinho.
Muitas águas passaram mas fica aqui minha homegem à essa figura. Nós, quando adolescentes, éramos inseparáveis.

Pra você amigo Salah.

Abraços!

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Vamos ser sinceros.

Quando Massa disse que acredita no seu retrospecto e no desempenho da Ferrari em pistas rápidas tive uma reação curiosa: fui indiferente. Faltam seis corridas para o fim do campeonato, os pilotos do time italiano têm 20 e 21 pontos de diferença para o líder. Desde o Baherin nenhum dos dois chegou perto da liderança e a diferença apenas cresceu. Então eles irão fazer em seis corridas o que não fizeram em 11? Acho bem improvável.

O companheiro de Massa, Kimi, disse que irá arriscar mais e que não tem nada a perder. Está certo ele? Sim. Vai adiantar muita coisa? Não. E se enterrou mais ainda quando "cutucou" a Mclaren dizendo que trabalha em um ambiente em harmonia. Bem amigo finlandês, esqueceram de avisar você que a dupla da Mclaren is on fire. No meio de toda a novela da Mclaren, discussões, insubordinações, desavenças e até espionagem, Fernando Alonso e Lewis Hamilton deram um baile na dupla da Ferrari esse ano até agora. Foram mais rápidos e mais regulares. E essa competitividade extrema entre eles ao invés de ter ser sido destrutiva serviu para aumentar ainda mais o desempenho de Alonso e Hamilton. Bravo.

Curioso e ao mesmo tempo frustante é verificar que o único dos quatro pilotos que não precisaria de adptação ao seu carro é o que menos venceu e hoje é o que parece menos confortável com sua máquina. Incompetência e falta de braço ou tiraram(a Ferrari) de sua mão um carro que ele guiava bem? Não faço idéia, mas as duas hipóteses podem ser verdade no fim das contas.

A equipe inglesa caminha para o título com toda a autoridade, e esse papo de que algumas pistas favorecem mais a Ferrari, que alguns jornalistas ainda falam que Massa não pode deixar a Mclaren sair com vitória na Turquia soa tudo como conversa burocrática pra quem não pode passar por cima das probabilidades matemáticas. Eu blogueiro e torcedor decreto: a Mclaren está com as duas taças nas mãos.

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Tears in Heaven

A todos que já perderam entes queridos.

Abraços.

terça-feira, 21 de agosto de 2007

O Volks que era Ka.


O site do Uol juntamente com o Autoestrada publicaram fotos do que seria o Gol de quinta geração camuflado ainda em fase de testes.
Mas num olhar mais observador verifiquei que se tratava de um Ford Ka camuflado e não um Volkswagen. Se a VW estava usando um Ka de "mula" para desenvolver seu novo Gol fica difícil saber, ou se era mesmo um teste da Volks ou da Ford. Na matéria a informação era que o carro tinha placa do PR, onde a montadora alemã tem fábrica. Será então que publicaram a foto errada? Bem, de qualquer maneira alguma salada foi feita dessa reportagem. Poderia o jornalista ter verificado que se tratava de um Ka e informado isso no texto.


Erros em matérias automotivas na net e em revistas é uma coisa muito comum no Brasil. Não existe o cuidado necessário na hora de montar reportagens sobre carros, o que sempre resulta em erros grosseiros. A qualidade geral das nossas publicações automotivas (Quatro-Rodas, Carro, MotorShow, Autoesporte) anda muito baixa; os testes de carros mais parecem informativos publicitários sobre os carros, não se faz uma análisa qualitativa das características dos carros de forma crítica e profunda.


Se meu tempo permitir sempre que puder estarei colocando por aqui erros de sites, revistas e até programas de tv que falam de automóvel. Reconheço as dificuldades e a boa vontade dos profissionais da área, mas um pouco de capricho não faz mal a ninguém, faz?

sábado, 18 de agosto de 2007

O ilusionista

Fantásito esse ilusionista Chris Angel, faz coisas que realmente eu gostaria de ver pessoalmente. Tirando todo o teatro e embromação sobre os poderes "mágicos" de Angel, é sempre um programa muito interessante de se ver.

Esse aí da cerca pontuda é de arregalar os olhos. Quem não viu confira!

Abraços!

sexta-feira, 17 de agosto de 2007

Que venha 2008 e o BBB 8!

E no site do UOL a notícia: "Globo anuncia inscrições para o BBB 8 ". E lá vamos para a oitava edição do mais patético programa de tv atualmente. Quero dizer, deve ser a oitava edição, não contei quantos já tivemos, apenas pelo nome BBB 8 chego à essa conclusão. E assim, quando acaba a sequêcia de Playboys e Sexys, com Fani, Carolini, Stefanelli, etc, todas ano 2007, já temos a notícia da edição para o ano de 2008 do programa recheado de gente besta, feito por gente besta, formatado de forma besta e explorado de uma maneira nada besta.

Entra ano sai ano é sempre mais ou menos a mesma coisa: alguns rapazes de "personalidades" e estilos distintos, algumas popozudas que servem apenas mesmo para posarem nuas e um ou outro elemento alternativo dentro da "casa". Só de escutar aquele fax apagado de jornalista chamado de Pedro Bial chamando o pessoal da casa já de me dá nos nervos. Dificilmente minha tv está ligada na Globo, se estiver e acontecer esse momento pavoroso vôo para o controle remoto.

Minha indignação talvez não esteja ligada àpenas ao programa em si, afinal é só um produto banal da tv. O que talvez me incomoda tanto é o fato deste afamado show de idiotices estar presente na vida de tanta gente. O que acontece? Será que qualquer coisa que enfiarem na nossa goela vai descer com a facilidade de uma papinha de neném?

Claro que a tv brasileira está repleta de porcaria, isso muita gente sabe, mas então por que pego tanto no pé do BBB? Por que na minha congestionada mente esse programa é a forma mais baixa que a tv encontrou para propiciar entretenimento aos espectadores. Gente desconhecida dentro de uma casa vivendo por não sei quantos dias? Tramas idiotas entre eles e todos esperando as meninas deixarem escapar mais pele que meu sobrinho pode ver. E depois que acaba os integrantes são despidos de uma vez na G Magazine e na Sexy Premium. Sem meias palavras é baixaria mesmo.

Agüentar Gugu, Faustão, Galisteu, Xuxa já era duro, agora BamBam, Grazi e Alemão já é pedir pro brasileiro colocar a cabeça na privada... e apertar a descarga.

Abraços!

quinta-feira, 16 de agosto de 2007

Chicotadas da semana.

Um apanhado de alguns tópicos que rolaram durante a semana:

- Já havia falado da confirmação de Bourdais na STR. Muito legal a presença do tricampeão da Champ Car, traz mais brilho à F1, etc. Mas Berger já sai fazendo declarações do tipo "Bourdais é piloto de ponta" muito antes ele estrear na categoria. Claro que todos botamos fé no francês, mas não custa esperar ele demonstrar na pista. Assim não se queima uma promessa.

- Esse suposto encontro entre Alonso, Hamilton, Ron Dennis no barco de Mansour Ojjeh, sócio da Mclaren, em St. Tropez. Se falou que o piloto espanhol simplesmente não foi. E para piorar, existem os rumores de que Hamilton estaria namorando a filha de Ojjeh, resumindo Alonso estaria sendo tratado como elemento estranho na família Mclaren. Se tudo que foi divulgado for verdade Fernandinho realmente está em maus lençóis, já que se sair da Mclaren não tem um time à altura em médio prazo. Por isso ainda acho que ele fica.

- Para melhor entender a novela: Hamilton é inglês e é amado por Ron Dennis, inglês também, desde bebezinho. Esse bebezinho cresceu e hoje é homem e namora a filha do eterno sócio de Ron na equipe, inglesa também. E todos juntos curtindo férias em uma praia francesa. Nando de fora é convidado mas não aparece. Aguardem cenas do próximo capítulo....

- A Renault finalmente desistiu da disputa ao título! Palavras de seu presidente. Brasileiro. Este que não desiste nunca realmente fez juz à fama, afinal esperou 11 provas pra dizer que não tem mais chance ao título. Mesmo estando (bem) atrás de outras três equipes o campeonato todo.

- O mesmo presidente da Renault que não tem muita paciência para chegar ao topo e fazer as coisas funcionarem. Um executivo que dorme pensando em eficiência. Por isso Briatore que começe a dar seu pulos, por que mais duas ou três temporadas com esse desempenho de agora e o senhor Carlos manda a divisão da F1 catar coquinho.

- Massa e Raikkonen on the road dizendo que a disputa da Mclaren pode ajudar a Ferrari: desculpem mas a dupla da Mclaren até agora demonstrou que a disputa entre eles apenas serviu para eles andarem mais e mais até abrirem 20 pontos dos piltos da Ferrari. A dupla da Mclaren simplesmente trucidou o brasileiro e o finlandês. Não se iludam.

- Em breve mais chicotadas...

Abraços!

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

Ferrari contra Porsche.

Um rachinha entre a Ferrari 599 e o Porsche Carrera GT. Duas máquinas com mais de 600 cv rasgando numa reta. Detalhe para o ronco dos motores, simplesmente viciante.

Os dois fabricantes de carros esportivos mais famosos do mundo hoje em dia apenas competem no mercado de carros de rua. Ia ser muito interessante ver as duas marcas brigando nas pistas, num hipotético retorno da Porsche à Fórmula 1. Não custa torcer. Enquanto isso não acontece vou procurar colocar mais vídeos de "rachas" entre Ferrari e Porsche.

Abraços!

sábado, 11 de agosto de 2007

Miss Sarajevo.

Uma homenagem ao grande tenor Luciano Pavarotti que se encontra hospitalizado combatendo um câncer.
Essa música é um dueto com o U2 e emocionou a todos em 2006 no show da banda irlandesa em Sampa, mesmo sem a presença dele.

Abaixo o belo trecho em italiano traduzido para o português:

Você diz que o rio
Encontra seu caminho para o mar
E assim como o rio
Você virá para mim
Além das fronteiras
E dos desertos
Você diz que, como o rio
Semelhante ao rio
O amor virá
Amor
E eu não consigo mais rezar de forma alguma
E eu não consigo mais acreditar no amor de forma alguma
E eu não consigo mais esperar pelo amor de forma alguma

sexta-feira, 10 de agosto de 2007

Altos e baixos, no blog e na F1.

Não demorou mais que uma semana para que toda aquela fervura provocada pela guerra dentro da Mclaren esfriasse um pouco. Acredito que o circo volta a borbulhar às vésperas da apelação do caso de espionagem.

Não comentei muito sobre esse caso e na verdade ainda não tenho uma opinião final, apenas acredito que a grande chance de Lewis Hamilton se sagrar campeão vai pesar muito numa punição contra os pilotos da Mclaren. E convenhamos, se o inglês ganhar vai ser mais que merecido, afinal mesmo que sua equipe tenha se beneficiado das informações da Ferrari ele está batendo o melhor piloto da atualidade, Alonso, que usa o mesmo carro. E temos ainda o desempenho bem irregular da sua principal rival, a Ferrari. A equipe italiana fez de tudo para entregar o caneco, já que seus dois pilotos foram bem inconstantes e seus dois carros também. Alonso e Hamilton merecem o título, Mclaren, Ferrari, Massa e Raikkonen não.

Mudando de saco pra mala, um fato curioso foi quando descobri pelo Google Analytics que esse blog já foi acessado por visitantes em 10 países diferentes. Esse mês que passou foi um pouco fraco de posts e visitas, por isso uma notícia assim serve pra eu me animar um pouco.

Por último a bem vinda contratação de Sebastién Bourdais, um piloto já conhecido que vai trazer mais brilho ao grid da Fórmula 1 em 2008. Uma cor que foi perdida quando Montoya decidiu correr na Nascar. Existem ainda alguns nomes que sinceramente deveriam não mais constar ano que vem, como Ralf, Trulli, Fisichella, e Barrichello. Na pista esses já não brilham mais e dificilmente contribuem para incrementar o show. Então boas vindas ao francês, que seja competitivo para entrar nas brigas das pistas, estando à altura de bons nomes que chegaram recentemente.

Abraços!

quinta-feira, 9 de agosto de 2007

Por que chove sempre em mim?

Britânicos até na respiração, o Travis traz um rock melódico e emocionado, apesar do seu bem-humorado vocalista.
Nessa "Why does it always rain on me" um clima melancólico perfeito para um dia de inverno. Belíssima.

Parece até briga de gente grande.


Quatro dias depois do tumultuado(fora da pista) GP da Hungria tudo começa a esfriar. Na segunda e terça quando surgiram as notícias da gerra interna na Mclaren, quando Alonso teria dito "sai ele ou saio eu" e a Mclaren respondido que as portas estavam abertas parecia que o circo ia pegar fogo de verdade. Bem, pra mim juntaram a sede com a vontade de beber. Claro que Alonso e Hamilton já não formam um par que vive na paz. E também é fato que Alonso está incomodado.

Um post de alguns meses atrás explica bem claramente por que Alonso parece tão desnorteado com a rivalidade de Hamilton. Afinal, por que um piloto já bicampão do mundo, de apenas 26 anos, com uma carreira longa pela frente iria agir como se fosse o último campeonato da vida dele, brigando com a equipe logo nos primeiros meses de parceria? Por que está em jogo muito mais que o título desse ano.

Desssa maneira toda a imprensa, seja as publicações respeitáveis ou não, multiplicam esse momento de Alonso e fazem tudo parecer um guerra intensa entre ele a equipe inglesa. O espanhol é esperto, quer construir uma realidade de que é preterido dentro da Mclaren, assim já tem seu álibi se não ganhar o campeonato no fim do ano. E se concluir que não conseguirá ficar no time inglês alivia sua desvalorização por perder para o estreante dizendo que não ganhou por que não tinha apoio.

No fim das contas acho toda essa novela vai ter um final insosso esse ano. Principalemente por que essa briga toda vem seguida de longas 3 semanas de férias, e assim voltarão todos com aquele papo de que a rivalidade continua mas eles correm pelo mesmo time, etc. Alonso fica e se perder o campeonato esse ano certamente vai tentar dar o troco ano que vem na mesma Mclaren. Se perder de novo aí sim acho que ele procura outro time. Para 2008, fica cada um no seu lugar mesmo.

segunda-feira, 6 de agosto de 2007

Chicotadas de domingo na terça.

"Foi a pior corrida da minha vida". Assim, no calor da derrota, Felipe Massa definiu a corrida que praticamente o tirou da disputa ao título. Se no Canadá Massa já foi seriamente comprometido com sua desclassificação esse GP da Hungria foi mais ou menos um tiro de misericórdia na sua campanha, quando sem uma razão mais aparente não se encontrou no carro na classificação e não marcou pontos na corrida enquanto o líder do campeonato venceu e levou 10.
Alonso caminhava para uma disputa pela liderança do campeonato quando resolveu ficar parado no boxe à frente de seu companheiro. Levou punição mas ainda chegou em quarto e continua vivo na disputa.

Chicotadas rápidas da corrida para partimos para assuntos do dia em seguida:

- Outra corrida decepcionante aos torcedores brasileiros que esperam o surgimento de outro campeão. Felipe Massa não encontrou velocidade no seu carro na classificação e nem na corrida, ficando muito distante do desempenho dos líderes.

- Parece que a Ferrari sabe fazer apenas um carro veloz, quando Raikkonen começou a andar rápido o desempenho de Felipe apenas diminuiu. Estranho.

- Apesar de não ter ido pra cima, Raikkonen conseguiu imprimir um ritmo na mesma balada de Hamilton, mesmo tendo um carro teoricamente bem inferior para esse tipo de pista.

- Diferente do que eu pensava Hamilton está se mostrando um osso duro de roer na reta final do campeonato, mas ainda acredito que ele e Alonso vão disputar ponto a ponto esse título.

- Um fato que estamos deixando passar é que o badalado estreante Robert Kubica não consegue andar à frente de Nick Heidfeld, um piloto que todos pensavam que já deu o que tinha dar.

- Kovalainen mais uma vez deu um chocolate em Fisichella, que resolveu fazer companhia ao seu antigo companheiro Felipe Massa lá atrás no grid.

- Finalmente Ralf Schumacher fez uma corrida digna de nota, sinceramente não me lembro a última vez que ele fez uma corrida expressiva.

- A situação da Honda não pode ser mais piada, já é uma vergonha para uma marca com essa tradição e com pilotos do cacife de Rubens e Button andar tão mal nas corridas.

sábado, 4 de agosto de 2007

Ask me ask me!

Clássico e pérola absoluta do anos 80 da banda mais cool do mundo.

Perfeição sonora, melodia e poesia, tudo com muito bom gosto. É esse o The Smiths.

Para ouvir em qualquer momento, em qualquer lugar, com qualquer humor.

Abraços!

Afinal quem era?

Foi tão confuso pra mim essa classificação de hoje que agora já não tenho certeza se foi o Renault de Kovalainen que a transmissão mostrou sendo segurado por uma Red Bull(agora já nem sei sera Mark Webber ou David Couthard) ou se foi seu companheiro Fisichella. Não vou entrar no mérito do teor dos comentários polêmicos disferidos por Galvão Bueno já que na minha opinião nenhum outro locutor imprime a mesma emoção, ansiedade e tensão como ele, mas falta uma melhor interação dos fatos da parte dele e do Reginaldo Leme, que muitas vezes passam nomes de pilotos de forma equivocada. Como assisti o treino em pedaços ficou tudo embaralhado pra mim. De qualquer forma Kovalainen não teve o mesmo desempenho dos treinos livres. É essa a relevância da questão no fim das contas...